Certificado Embratur Nº 26.005948.10.0001-4

TID'S - 96-3 3272 5

Rios de água pura e cristalina, praias paradisíacas, natureza agreste e primitiva.

É possível conhecer este paraíso a bordo do 1° veículo overland do Brasil, um caminhão desenvolvido especialmente para dar conforto e segurança ao viajante.

Entre grutas, cachoeiras, dunas e rios o Jalapão oferece inúmeras atrações para o viajante.  
 
Atividades:

Gruta de Suçuapara:
Localizada na altura do km 15 da estrada para Mateiros está uma gruta de 15 m de altura e 60 m de comprimento, que forma um cânion com cachoeira.  

Cachoeira do Lajeado:
A Cachoeira do Lajeado é um trecho de 25 m composto por degraus formando várias quedas. Para chegar é preciso percorrer 45 km pela estrada para a Fazenda do Chiquinho.

Cachoeira do Brejo da Cama:

Sua queda tem apenas 3 m de altura e fica dentro de um buraco. O acesso é pela estrada para Fazenda do Chiquinho (45 km).

Cachoeira da Velha:

Com cerca de 25 m de altura, essa cachoeira, que tem duas quedas em forma de ferradura, deságua no Rio Novo. Para se chegar a Cachoeira da Velha siga pela estrada para Fazenda Triagro (101 km).

Dunas 
É possível ver dunas no Jalapão no km 136 da estrada para Mateiros. Elas chegam a alcançar até 40 m de altura e tem a cor alaranjada. 
 
Fervedouro
 
Nesse poço de olho d água a água azul borbulha da areia do fundo. Esse fenômeno acontece, pois essa piscina natural se localiza sobre um lençol freático. A sensação que o turista tem é de flutuar em suas águas. Para chegar até o Fervedouro, basta pegar a estrada para São Félix do Jalapão (192 km).

Cachoeira do Rio Formiga:
 
De águas esverdeadas e transparentes esse pequeno rio, perfeito para um banho conta ainda com uma pequena queda. O acesso é pela estrada para São Félix do Jalapão (199 km).

   
Rafting no Rio Novo:
Para conhecer bem o Rio Novo o ideal é fazer o rafting de quatro dias. O passeio começa na altura da Ponte do Rio Novo, onde as águas são bem calmas. Durante a descida observa-se o cerrado, os chapadões e as matas formadas na beira do rio. O percurso vai ficando cada vez mais emocionante à medida em que se desce o rio. O passeio termina perto da Cachoeira Velha.

   
Atividades Noturnas:
A verdadeira atração da noite é ela mesma. Curtir o céu estrelado ou ouvir os sons da natureza são os principais programas no Jalapão. 
 
 

Estrada Real – Minas Gerais (bicicleta e caminhada)

Desvendar a Estrada Real e todos os seus mistérios é um privilégio. São caminhos que foram abertos pela Coroa Portuguesa no século XVII, com o objetivo de transportar o ouro extraído do interior de Minas Gerais para a Costa, de onde era levado para a Europa. Deste período ficaram as igrejas, lindos casarões tombados e muitas memórias espalhadas pelos museus, praças e ruas de paralelepípedo. 
 
 

Começar o dia com um nascer do sol que mais parece um cartão postal é um presente inesquecível. Faz bem não só para os olhos, mas também desperta uma sensação de paz e harmonia que permanece viva na memória.

De Trancoso à Itacaré, de bicicleta ou a pé, esta viagem foi feita não só para aqueles que moram em cidades grandes e procuram descanso merecido, mas também para os eternos admiradores do exotismo e da passividade das praias do litoral sul baiano. 
 
 

Serras Gaúchas (bicicleta) 

Descubra uma região do Brasil cheia de tradições e costumes trazidos por colonos italianos e alemães. Além de descobrir seus recantos cheios de história, aventure-se pelos caminhos compostos de belas paisagens da Serra Gaúcha.  
 

Foz do Iguaçu

Visitar Foz do Iguaçu e não conhecer as Cataratas não faz parte de nenhum roteiro normal da maioria das Agencias de Turismo. Graças às famosas quedas que a cidade paranaense ganhou a fama no mundo todo que apresenta hoje. No entanto, engana-se quem pensa que Foz limita-se apenas ao seu principal cartão-postal. Se você pertence a esse grupo, já é hora de acrescentar novas opções turísticas na sua programação. O ecoturismo é, sem dúvidas, uma das alternativas que vêm ganhando força na região.

Imagine só fazer rapel com as Cataratas ao fundo? No Parque Nacional do Iguaçu, considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1986, o turista tem a opção de curtir a natureza praticando diversas modalidades esportivas como rafting, arvorismo, cascading, escalada, rapel e trilhas ecológicas.

O passeio mais conhecido por lá é o Macuco Safári. Nele, o visitante percorre uma trilha de 3 km em um jipe até uma plataforma no Rio Iguaçu, onde embarca em um barco bimotor rumo à Garganta do Diabo, salto com 90 m de altura e que, por seu formato, lembra uma ferradura. A navegação poderia até ser "light" se o barco não levasse os visitantes a apenas 5 m das Cataratas. É água para todo o lado, gritos, adrenalina correndo solta, mas, quando acaba, dá vontade de repetir mais e mais vezes.

Além das Cataratas e das opções em ecoturismo, a cidade tem ainda uma noite animada, uma mesquita árabe e um templo budista. Além da famosa usina de Itaipu, Foz do Iguaçu tem também a vantagem de fazer fronteira com dois países: o Paraguai e a Argentina. Não são necessários mais que vinte minutos para curtir os cassinos das cidades vizinhas Ciudade Del Este e Puerto Iguazu. É por isso que todo ano a cidade é escolhida por milhares de visitantes todos os anos, que vem de várias localidades do mundo todo. 
 

Lençóis Maranhenses

Responsável pela preservação de um ecossistema único de dunas, mangues e restingas, o Parque Nacional dos Lençóis está dividido pela embocadura do Rio Piriá, onde ocorre a transição de duas áreas distintas: a oeste predominam as rias e, a leste, as formações arenosas que formam os chamados lençóis do litoral maranhense.

As rias são costas de recortes profundos, onde o mar é raso e as praias lodosas, com manguezais, dunas, restingas e pequenas falésias, enquanto os lençóis correspondentes a uma série de dunas que se prolongam desde o Golfão Maranhense até a foz do Rio Parnaíba. 

Delta:

Visto de cima, o encontro do Rio Parnaíba com o Oceano Atlântico lembra um quebra-cabeça gigante: basta imaginar que cada peça seja uma de suas 73 ilhas. Embaixo, é preciso decifrar os caminhos das águas para navegar com segurança, não se perder nos igarapés e evitar encalhar em um banco de areia. O aviso faz sentido.

A área total do Delta é calculada em 2.700 quilômetros quadrados. 
 

Jericoacoara (CE) 

Dizem que a origem de Jirocoacoara é tupi-guarani, yuruco (buraco) cuara (tartaruga), ou seja buraco das tartarugas, numa referência ao de Jericoacoara ser uma praia onde ocorria a  desova de tartarugas.

Um lugar paradisíaco aonde o convencional não chegou.

Área de proteção ambiental desde 1984, está localizada a 300 km de Fortaleza, capital do Ceará e a 220 km de Parnaíba. 
 
 

Brotas (SP) 

“Brota” olho d'água, nascente, lugar em que a água surge. A história nos conta que a fundadora da cidade, D. Francisca Ribeiro dos Reis, era devota de uma santa portuguesa, chamada Nossa Senhora das Brotas, cuja imagem restaurada está na Capela de Santa Cruz, marco histórico da cidade; já os caboclos afirmam que a água dá origem ao nome, pois o que mais temos é água, muita água! 
As belezas naturais da Mata Atlântica, do Rio Jacaré Pepira e do relevo das Cuestas, convidam à prática do ecoturismo e do esporte aventura em todas as épocas do ano.  
Inovação, estrutura, segurança e qualidade permitem lazer para todas as idades. Brotas acredita no turismo sustentável como sinônimo de qualidade de vida. A oportunidade de vivenciar a emoção de integrar o corpo, a alma e a natureza. 
 

Bonito (MS)

Seus rios de águas transparentes, suas cachoeiras com formação de cavernas abaixo de seus véus, suas grutas cinematográficas e sua natureza intacta fazem com que Bonito seja um lugar digno do nome que tem.

Muito antes do eco-turismo virar moda e antes do mundo voltar sua preocupação com a ecologia, Bonito já estava se estruturando e se organizando de maneira ecologicamente correta. Hoje, exemplo mundial é com certeza o turismo mais organizado do Brasil graças à união e o zelo de seu povo. 
        
            

Chapada Diamantina – Bahia

O Parque Nacional da Chapada Diamantina foi fundado em 1985 com a intenção de proteger a região - já muito prejudicada pela mineração e criação de gado - e incentivar o turismo e pesquisa científica. A área total do parque é de 1520 km2 e abriga mais da metade da serra do Sincorá.

A Chapada é o grande divisor de águas entre a bacia do São Francisco e os rios que rumam para o Oceano Atlântico, como o Paraguaçu.

A vegetação é bem diversificada, misturando florestas de planície, campos rupestres, agrestes e caatinga (nas terras secas). Nos vales à beira dos rios, por exemplo, a mata é densa e os solos, mais ricos. 

Área de beleza inigualável apresenta suas peculiaridades tanto no período de seca, como no de chuvas, atraindo as pessoas  pelo misticismo e ecoturismo, pois é famosa pela energia espantosa que envolve a região, além das diversas cachoeiras, trilhas e paisagens inesquecíveis, a preservação do meio ambiente e a natureza ainda não tocada e degradada pelo homem, graças ao esforço do IBAMA, entidades ambientalistas, população local e da administração pública local.

A Chapada dos Veadeiros, nas palavras do pesquisador, escritor e terapeuta holístico Ergom Abraham, "é um local predestinado a ser uma espécie de berço do novo homem, ou berço de uma nova raça".

 
 
Pantanal – Mato Grosso e Mato Grosso Sul

Pantanal Sul-Mato-Grossense, uma das maiores planícies de sedimentação do mundo, ocupa grande parte do Estado de Mato Grosso do Sul - aproximadamente 140 mil km2 - estendendo-se, também, por países vizinhos como Argentina, Bolívia e Paraguai. A planície inundável, com leves ondulações, pontilhadas por morros isolados e ricos em depressões rasas, tem seus limites demarcados por variados sistemas de elevações como chapadas, serras, e é cortada por grande quantidade de rios, todos pertencentes à Bacia do Paraguai. Na região pantaneira, a paisagem altera-se profundamente nas duas estações bem definidas do ano: a seca e a chuvosa. 
 
 

Este arquipélago já foi alvo de invasão de Ingleses, Franceses e Holandeses. Para evitar novas invasões foram construídos fortes, e ainda um presídio, o que causou considerável impacto ambiental.  

Fernando de Noronha é um arquipélago vulcânico isolado no Atlântico Equatorial Sul, sendo sua ilha principal a parte visível de uma cadeia de montanhas submersas (DORSAL MEDIANA DO ATLÂNTICO).

Constituído por 21 ilhas, ilhotas e rochedos. A ilha principal, cujo nome é o mesmo do arquipélago, constitui 91% da área total, destacando-se ainda as ilhas Rata, Sela Gineta, Cabeluda, São José e as ilhotas do Leão e da Viúva. 

Possui uma fauna marinha exuberante, assim como avifauna. Desde 1988 tornou-se Parque Nacional Marinho administrado pelo IBAMA, com o objetivo de preservar o ambiente marinho e terrestre. Fernando de Noronha hoje é exemplo de preservação ambiental, em convívio direto com a atividade turística, esta de pequena escala, limitada à infra-estrutura existente. Ações permanentes executadas por ONG'S e Fundações, contribuem para o aprimoramento da política de conservação.

O contato com a natureza intocada é único, tornando inesquecíveis os momentos passados em perfeita comunhão com o meio ambiente. São oferecidas várias opções de passeios terrestres e marítimos, inclusive atividades subaquáticas, formando um conjunto que atrai um grande número de turistas brasileiros e estrangeiros.

Muitas são as opções de praias no arquipélago. Umas mais adequadas ao mergulho, outras ao banho, contemplação, surf etc. De forma geral, todas as praias localizadas no lado protegido da ilha principal são ideais para mergulhos e banhos na época compreendida entre os meses de abril e novembro, devido ao mar extremamente calmo. Nos demais meses, a mudança das condições do mar favorecem à prática do surf, com destaque para janeiro e fevereiro.

 
 
Porto  
Local de embarque/desembarque dos barcos que abastecem a ilha e dos passeios turísticos. Possui uma pequena praia de areia, com águas calmas. Destaque para o bonito pôr-do-sol e a observação do mergulho dos pássaros marinhos em busca de alimento. Nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro, fortes ondas (até 4 metros) tornam ideal a prática do surf.

 
 
Cachorro  
Localizada no sítio histórico da Vila dos Remédios, apresenta, dependendo da época do ano, cobertura de areia ou pedras, devido ao movimento das marés. Também usada para a prática do surf.

 
 
Meio  
Localizada junto à Praia do Cachorro, tem a forma de uma pequena baía. O acesso se dá pela Praia do Cachorro e pela Praia da Conceição, através de uma pequena e fácil trilha.

Conceição  
Uma das mais belas e extensas praias do arquipélago, é das mais freqüentadas pelos ilhéus e turistas. Ideal para a prática de surf (entre dezembro e fevereiro), para mergulho de apnéia (de março a novembro), banho e simples contemplação. Vale a pena apreciar seu pôr-do-sol.

 
 
Boldró  
Próxima à antiga base de rastreamento de satélites americana, tem as mesmas características de mar da Praia da Conceição, exceto quanto ao fundo, com mais predominância de corais. Atenção especial deve ser dada aos banhos no período entre dezembro e fevereiro, devido a fortes correntes submersas existentes.

 
 
Americano/Bode/ Cacimba do Padre 
Três praias adjacentes, com acesso por terra e por mar na maré seca, ideais para a prática de surf entre dezembro e fevereiro além de banhos nos demais meses. Na Praia do Bode existe excelente local sombreado para descanso e lazer, sob árvores frondosas.  

 
Baía dos Porcos 
Um dos destaques de Fernando de Noronha, com acesso pela praia da Cacimba do Padre, principalmente com maré seca. Compõe-se de paisagens deslumbrantes. Localizada em frente ao Morro dos Dois Irmãos, (duas pequenas ilhas bem perto da praia), possui piscinas naturais e água de coloração variada.

 
Baía do Sancho
 Logo após a Baía dos Porcos, encontra-se a Baía do Sancho, outra praia de destaque entre tantas. Cercada por um paredão, tem acessos por escada fincada na rocha, por pequena trilha (aconselhável com guia local) e por mar. Praia de beleza inesquecível onde se podem apreciar ninhos de aves marinhas e praticar excelentes mergulhos dentro da baía. Local de parada dos barcos que fazem passeios turísticos, para mergulho e banho.

 
 
Baía dos Golfinhos 
Área de preservação máxima tem como único acesso uma trilha por onde se chega à beira do paredão. É ponto de observação da atividade dos golfinhos, principalmente em torno das 6 horas da manhã. Situada dentro do Parque Nacional Marinho, tem acesso proibido por mar, para proteger os golfinhos em seu habitat natural.  
 
Praia do Leão 
Localizada no lado sudeste da ilha, na opinião de muitos, tem a mais estonteante paisagem do Arquipélago. Principal local de desova das tartarugas marinhas tem como outras atrações o tamanho (maior em extensão), piscinas e os esguichos, semelhantes a um gêiser, resultantes da entrada de água sob pressão na maré enchente por debaixo dos corais e sua conseqüente expulsão sob pressão por pequenas aberturas. Melhores meses (dezembro a março).

Ponta das Caracas
Local rochoso, de acesso restrito. Do mirante tem-se uma bela visão da Praia do Leão e adjacências.

 
Baía do Sueste
Praia mais calma de Fernando de Noronha, devido a sua conformação de baía fechada, tornando possíveis mergulhos e banhos em qualquer tipo de maré. Bela paisagem e rica fauna marinha. Junto, localiza-se o único mangue insular oceânico da América do Sul, com fauna própria. Há restrições de mergulhos em parte da baía, onde se situam alguns bancos de corais. Serviço de bar e lanches durante o dia (Lanchonete Tartarugão).

 
Praia da Atalaia
 Verdadeiro aquário natural, permite mergulhos em suas piscinas na maré seca. Extremamente rasas (80cm em média ), exibem uma variedade de fauna marinha deslumbrante. Acesso por trilha partindo da Vila do Trinta ou de carro pela estrada iniciada próximo ao aeroporto. Localizada em área do Parque Nacional Marinho, tem o número máximo de visitantes estipulado em trinta por dia.

 
 
Praia da Caieira
Próxima ao porto, do lado oposto, tem um belo visual, sendo apreciada pelos ilhéus para a prática da pesca. Mais calma entre os meses de dezembro a março.  
 

Buraco da Raquel
Grande conjunto de piscinas, interditadas à visitação, podem ser vistas de um mirante. Bem próxima do porto (lado oposto) e da Praia da Caieira. Permitida apenas à contemplação pelo mirante, sendo proibida a descida. 

Amazonas

Localizada ao norte do país, Amazônia possui área de mais de 7 milhões de Km2 , abrangendo sete estados brasileiros e nove países da América do Sul. A região é recoberta pela Floresta Tropical Amazônica e formada pela bacia do Rio Amazonas que, com mais de mil afluentes representa, pelo menos, 20% de todos os recursos hídricos disponíveis no planeta.

Devido à sua grande biodiversidade, a Amazônia representa uma enorme reserva de recursos naturais – vegetais, minerais e animais - e influencia diretamente o equilíbrio climático da Terra. Além de grandes áreas de florestas, a Amazônia também apresenta cerrados e campos rupestres, campinas, matas secas, igapós, manguezais, ilhas, praias fluviais de areia branca, cachoeiras, e riquíssimas flora e fauna, com cerca de 30 mil espécies de plantas e 30 milhões de espécies animais. Os rios da Amazônia são a melhor maneira de conhecer a floresta e observar os animais da região. Os passeios de barco por igarapés, afloramentos rochosos e bancos de areia são uma grande aventura, e ainda existem opções de caminhadas pela mata, pernoite na selva, focagem noturna de animais, pesca esportiva e a prática de canoagem e rafting.

No centro da maior floresta tropical do planeta encontra-se Manaus, uma cidade comercial alegre, cujo nome tem origem na valente tribo de índios Manaós.  
 
Vale a pena uma visita ao centro antigo: caminhar pelo porto flutuante e conhecer o mercado de peixes e temperos coloridos, aberto todos os dias, que oferece uma variedade fantástica de plantas medicinais típicas da Amazônia. Manaus também possui uma grande variedade de lojas, como um grande e moderno Shopping Center. A vida noturna é alegre, principalmente na estrada da Ponta Negra, uma avenida ao longo do rio, além de atividades agradáveis na praia, há muitos restaurantes, cafés e casas noturnas. 
 

Internacional 
Um mundo de aventuras e belezas pelo mundo.

Roteiros desenhados especialmente para pessoas de todas as idades, relativamente ativas, que gostam de estar ao ar livre, em contato íntimo com a natureza e de esportes como ciclismo, golf, tênis, ski, caminhadas, rafting, rapel, pesca, caiaque, cavalgadas, etc. Que adoram conhecer diferentes culturas e que apreciam uma boa gastronomia, bons hotéis e um ótimo serviço. Ainda, para pessoas que gostam de férias com uma agenda diária caracterizada por muita flexibilidade e espaço para exploração independente. São pessoas que em geral nunca fariam uma excursão.  

Embarque “nessa” sozinho, com amigos ou com a família. Opções têm para todos os gostos e bolsos. 

Alguns roteiros também são desenhados especialmente para empresas.  

Bike

Aventura e esporte com muito, muito luxo, pelas mais lindas paisagens do mundo. Percorrendo de 30 a 60 quilômetros diários em bikes de última geração, com toda a infra-estrutura de apoio, guias que conhecem profundamente as regiões percorridas, Vans ou Land Rovers de suporte, gastronomia fantástica e os melhores hotéis. Alguns roteiros incluem ainda Yachts privativos.   

Sempre haverá, durante os percursos, um evento especial, acompanhado de um expert, seja em vinhos, arte, gastronomia, arqueologia, entre outros. 

Os roteiros incluem os mais variados destinos na América do Norte, América Latina, Europa, África, Ásia-Pacífico e Oceania.

Permondo Turismo.: Rua José Ferreira Guimarães, 174 Cep: 05615-130 São Paulo / SP Tel SP.:(55 11) 3722.0078 Tel Santos.:(55 13) 3029.3030